Categories
Sobre Movimentos

Lançamento de um Movimento entre Muçulmanos: Melhor Estudo de Caso de Práticas – Igreja da Família Antioquia

Lançamento de um Movimento entre Muçulmanos: Melhor Estudo de Caso de Práticas – Igreja da Família Antioquia

Por William J. Dubois

Sou William J. Dubois, colíder da Igreja da Família Antioquia, uma aliança global de movimentos indígenas de plantação de igrejas. Ao longo dos últimos 30 anos, concentrámo-nos em construir a capacidade de liderança dos cristãos de primeira geração que vivem em países fechados e ajudá-los a aprender a multiplicar as igrejas domésticas. Hoje concentrar-me-iei no lançamento do movimento entre muçulmanos.

Durante os nossos primeiros 20 anos de trabalho, muitos dos nossos esforços foram recebidos com erros, erros e fracassos. No entanto, foi através de uma crise pessoal na minha própria vida que aprendemos a fazer ajustamentos que levariam a avanços. Em 2004, ajudei os líderes subterrâneos da igreja do Irão a aprender e a compreender 2 Timóteos. Depois deste treino ter terminado, fui envenenado por uma operação da Al-Qaeda e quase morri. Muitas pessoas rezaram por mim, e depois de dois meses e meio de consultas médicas e hospitalares a tentar determinar o que tinha acontecido, recuperei milagrosamente. Estou tão agradecida por isso!

Mas o poder da história veio mais tarde – muitos anos depois, na verdade. Coorganizei o treino de plantação de igrejas para líderes do Afeganistão, Iraque e Paquistão, e no início do nosso tempo juntos apresentámo-nos. Descobri que um dos transmissores da igreja tinha alguém designado o meu envenenamento!

Nessa altura, comecei a compreender que o movimento de multiplicação precisava mais do que apenas de linguagem intercultural e competências culturais. O poder da encarnação começa com a aprendizagem da alma humana. E neste caso, desenvolva uma compreensão profunda daqueles que são radicalizados para o mal. Deus pôs-me numa jornada para começar a entender o coração do que seria levado para iniciar um movimento entre muçulmanos.

Hoje, a mesma Família da Igreja de Antioquia tem 1.225 compromissos de movimentos em 748 línguas em 157 países. Há 2,3 milhões de igrejas com 42 milhões de adultos. O que Deus começou, dentro e entre nós, começa com a nossa frescura, os nossos erros, e os nossos mal-entendidos. Mas depois que o Senhor gentilmente nos permite aprender algumas ferramentas poderosas e princípios eficazes, avanços exponenais ocorreram.

Concentramo-nos em três prioridades. A primeira é salvar as pessoas da escravatura em crianças. A escravatura pode ser tráfico humano, mas é sempre um pecado. E era uma vida cheia de discriminação, dor e mágoa. Mas quando estabeleceram uma relação pessoal com Deus através de Jesus Cristo, tornaram-se filhos e filhas do Deus vivo, e herdeiros comuns. Assim, as nossas relações, mesmo com novos crentes, não são hierárquicas. É como uma família porque pedimos que sejam batizados em Jesus, e depois na Igreja, e depois no mundo. Nunca pedimos a ninguém que se junte à nossa cultura antes de encontrarem o nosso Salvador. Certificamo-nos de que se encontram primeiro com o nosso Salvador. Então juntos descobrimos como seria a igreja na sua própria cultura. Então, a primeira prioridade é salvar da escravatura para a sonship.

A segunda é capacitar as pessoas para trazerem os outros a Cristo. Deve ter ouvido o termo “procurar um homem de paz”. No nosso modelo, procuramos um homem ou uma mulher Influência. Chamamos-lhe modelo Cornelius, do capítulo 10 dos Atos. Pedimos a Deus que nos mostre pessoas que têm uma influência tremenda na sua aldeia ou na sua comunidade, ou no seu país. Ao trazer-lhes o evangelho, eles, por sua vez, têm a capacidade de espalhar as boas notícias a todos nas suas redes sociais. Então, assim como o Apóstolo Paulo pediu a Tito para estabelecer anciãos em cada igreja, pedimos a estes Cornelius que ajudassem a criar líderes e estabelecer anciãos em todas as igrejas. O nosso ministério, então, era de igreja em igreja. Não é uma organização para a igreja, mas uma igreja local que faz parceria com outra igreja tradicional para perguntar a Deus o que precisa ser feito e, em seguida, trabalhar em conjunto.

Então veio a nossa

terceira prioridade tripla . Segundo Timóteo 2:2 diz que as coisas que ouvimos de pessoas de confiança, devemos transmitir àqueles que podem partilhar com os outros. É uma multiplicação de três gerações. Descobrimos que se nos concentrarmos numa geração crescente de líderes, podemos multiplicar o movimento. O nosso treino de liderança baseia-se na obediência, não no conhecimento. Vou dar-lhe um exemplo. Há alguns anos, abrimos um novo ministério numa grande cidade, e encontramos alguém que se interessava por coisas espirituais. Um dos nossos trabalhadores começou a falar com eles, e logo perguntaram sobre Jesus. Mas antes de explicar as profundezas do Reino, pedimos ao homem para ir procurar cinco amigos.

O objetivo não é unir estes cinco amigos numa reunião da igreja, mas sim ter cada um deles guiado por este “Cornelius”. Estas cinco pessoas vão começar a partilhar com os seus cinco amigos em breve, e esses cinco amigos vão encontrar cinco deles. Então, desde o início, a multiplicação foi incorporada em todo o ministério.

Com estas três coisas – salvando, fortalecendo e multiplicando -, descobrimos que podemos aprender tanto com aqueles que acabaram de chegar a Cristo. Então, em vez de ensiná-los com declarações, começamos por fazer perguntas fortes. Aqui estão três perguntas que fizemos. Nós perguntamos”,Quem está espiritualmente com fome? Quando procuram espiritualmente? E onde estão espiritualmente atentos?” Tentamos encontrar os ritmos culturais e espirituais daqueles em que estamos a trabalhar.

Por exemplo, o fim de semana da Páscoa não será um dia sagrado para um muçulmano porque eles ainda não conhecem Jesus. Constatamos, de facto, que o Ramadão é o momento de calendário mais importante quando podemos partilhar boas notícias com os muçulmanos. Porquê? Porque é o mês em que procuram o Senhor. Não é o mesmo Deus. Eles não procuraram Jesus o Filho de Deus; Só estão a tentar encontrar uma maneira de obter crédito suficiente para que Deus os aceite. Então, em vez de apresentá-los às nossas férias primeiro, decidimos vir com eles, entender os seus ritmos espirituais, e rezar por aqueles que estão espiritualmente famintos. Descobrimos onde tinham fome e a que estavam atentos. Depois, através de uma conversa espiritual, podemos encontrar Cornelius. Pedimos-lhe que encontrasse os amigos e o processo de multiplicação começou.

Complementamos os nossos líderes com traduções da Bíblia ou versos-chave. Muitas vezes damos-lhes caixas Wi-Fi, por isso, carregando no botão, podem espalhar o filme JESUS ou parte do Novo Testamento, pelo menos na linguagem do comércio. Se o grupo de pessoas não estiver separado, fornecemos a mochila móvel da nossa equipa, para que, se estiverem nas aldeias, possam mostrar o filme de JESUS a até 300 pessoas. E damos-lhes muita formação sobre como começar conversas espirituais com as pessoas – para que as pessoas Quer conhecer o Senhor que pode salvá-los, capacitá-los e multiplicar a sua influência. Eles podem conhecer Deus, Jesus, que pode perdoá-los dos seus pecados.

No meio de tudo isto, descobrimos que se nos unirmos e rezarmos, se construirmos uma equipa para interceder, há imensas oportunidades nestes momentos. Há um dia especial, perto do fim do Ramadã (na verdade o 27º dia), chamado A Noite do Poder. Naquela noite, muitos muçulmanos em todo o mundo acreditavam que as suas orações levavam mil vezes o peso de outros dias. Naquela noite, pediram a Deus uma revelação sobre quem era. Pedem perdão a Alá pelos seus pecados, e pedem sonhos e visões. Então enviamos o nosso povo para dentro, para murk com aqueles que estão à procura de um Deus que eles não conhecem, para que possamos partilhar com Deus que nós Sabia que?

você, porque dentro para o

No dia 19 de maioEm 2020, mais de mil milhões de muçulmanos reúnem-se em casas para jejuar e rezar. Pela primeira vez desde 622 DC, as mesquitas foram fechadas, devido ao coronavírus. Rezaram nesta “Noite do Poder” pela revelação especial de “Deus” e pela remissão dos seus pecados. Ao mesmo tempo, mais de 38 milhões de seguidores de Jesus de 157 nações – todos ex-muçulmanos – ergueram as suas vozes em oração pedindo ao Verdadeiro e vivo Deus que se revelasse através de sinais, milagres, sonhos e visões aos muçulmanos em todo o mundo. Rezaram para que, pela primeira vez, através do poder do Espírito Santo, os muçulmanos entendessem a misericórdia, o amor e o perdão encontrados apenas em Jesus Cristo. E nesta “Uma Noite das Maravilhas”, Deus ouve as nossas orações.

Quando concordamos juntos na oração e vamos para a sala do trono do céu, pedimos a Jesus que interceda em nosso nome – para que tenhamos uma conversa espiritual no momento certo no lugar certo. Podemos esperar que coisas mágicas aconteçam. Quero contar-te a história que aconteceu este ano durante o Ramadão. Enviamos uma equipa de aldeia em aldeia durante este tempo, pedindo a Deus que nos desse uma porta aberta e abrisse os nossos corações. Uma equipa foi para um país (pedi desculpa por razões de segurança que não podia partilhar os detalhes do país), mas foram para uma aldeia onde ninguém o aceitou. Ninguém mostrou hospitalidade, ninguém abriu as portas.

No final, a equipa ficou muito desencorajada. Saíram da aldeia e sentaram-se debaixo de árvores e construíram fogueiras para que se aquecessem durante a noite. Eles começaram a rezar e perguntar a Deus o que fazer, pedindo uma maneira de fazer uma descoberta nesta aldeia. À medida que a noite ia passando, eles adormeceram. Logo acordaram e um dos líderes viu as chamas a virem na sua direção. Acontece que 274 pessoas com tochas de fogo nas mãos, caminharam na sua direção. A equipa estava inicialmente cheia de medo até que um deles disse: “Rezamos para que tenhamos a oportunidade de ir a esta aldeia e partilhar Jesus. Agora a aldeia virá até nós!

Pouco antes de conhecerem estas pessoas, uma das 274 pessoas adiantou-se e disse: “Não sabemos quem és, não sabemos de onde és, e não abrimos a nossa casa quando estiveste hoje na nossa aldeia. Mas esta noite, cada um de nós tem exatamente o mesmo sonho. E naquele sonho um anjo veio até nós e disse: “As pessoas que vêm à sua aldeia são as que têm a verdade. Tens de ir perguntar-lhes, e seguir o que eles dizem.”

É o momento: uma conversa espiritual com a pessoa certa, na hora certa, no lugar certo acontece. E antes do fim da noite, os 274 líderes da casa todos fizeram profissões de fé e abandonaram a sua religião para entrar. Relacionamento com Jesus. É o poder da oração e ter conversas espirituais no lugar certo.

Quero deixar-vos com mais uma história sobre o lançamento de um movimento entre muçulmanos. Não é da ideia de que um trabalhador ou missionário é quem deve fazer isto. Trata-se de equipar e construir um líder, Cornelius, que vai duplicar o trabalho. Há alguns meses, os líderes vieram ter comigo e disseram: “Sabes, não conseguimos chegar a certas aldeias e não há maneira de chegar a eles usando meios regulares. Por isso, rezámos, e sentimos que o Espírito Santo nos tinha pedido para pôr de lado uma equipa de pessoas que atravessariam o deserto e garantir que todos aqueles que não eram mais curtos, todos aqueles que não foram alcançados e intocáveis, ouviriam as boas notícias.”

Temos a oportunidade de lançar um movimento entre muçulmanos. Começa quando treinamos pessoas locais que vivem nas proximidades e estão perto da cultura. Encontrámos o Cornelius, investimos no homem, e ele ajudou-nos a perceber como mobilizar os amigos para contar aos amigos. Pode ser até ao deserto do Médio Oriente em camelos. Se capacitarmos as igrejas locais a assumir as responsabilidades que Deus lhes deu em vez de estarmos à frente, tornamo-nos Barnabas que sustentam os apóstolos e as pessoas que enviam. Por isso, diria que a nossa responsabilidade é dotar as pessoas de formação e de ferramentas e de criar confiança. Nomearam líderes e enviaram transmissores da igreja para multiplicar outros que depois partilhariam as boas notícias.

Em suma, penso que podemos ver desta forma o movimento de lançamento entre os muçulmanos. Primeiro, um livro cultural pode produzir um livro inovador Atos. Em segundo lugar, lançámos um movimento entre muçulmanos, adaptando as nossas conversas, para que as conversas sejam espiritualmente conduzidas com as pessoas certas, no momento certo, no lugar certo.

Pedimos às pessoas para serem batizadas em Jesus, e depois ajudá-las a descobrir como é a sua igreja, em vez de pedir às pessoas para encontrarem o seu caminho na nossa cultura da igreja. Precisamos também de pedir a Deus cornelius, um homem ou mulher influente, que usará a sua influência para multiplicar o Reino entre as relações que já têm. Quero encorajá-lo a lançar um movimento entre muçulmanos, procurar ferramentas, encontrar treino de qualidade e criar confiança. Uma igreja, ligada à igreja cultural mais próxima e próxima, para que juntos possam ir a pessoas inatingíveis, inalcançáveis e ver Cornelius multiplicar o Reino em parceria consigo. Deus te abençoe.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *